História

O Programa de Pós-Graduação em História (PPGH) iniciou-se em 2012, com o curso de Mestrado. Sua área de concentração é História, Cultura e Identidades. O programa recebe conceito 3 pela Capes.

O objetivo do programa é qualificar profissionais de História, seja para a pesquisa ou ensino, respondendo à demanda regional. Procura a formação de pesquisadores para gestão documental em arquivos históricos, centros de documentação e órgãos de patrimônio e memória, e para atuar em projetos de políticas culturais na região.

A área de concentração do PPGH envolve a articulação entre cultura e identidades, conceitos dinâmicos, que modificam-se ao longo do tempo, e apresentam-se de formas distintas nos diferentes contextos. As pesquisas desenvolvidas pelo programa em torno das duas linhas são diversas, incluindo visões de mundo, análise de autores e textos e o ensino de história, no âmbito escolar.

A internacionalização do PPGH se dá por parcerias entre professores e convênios, informalmente. Uma parceria com uma universidade da Argentina possibilitou a vinda de docentes do país e a organização de um congresso internacional em 2015. Docentes do programa já atuaram como professores visitantes no exterior, sendo que um deles participa atualmente de intercâmbio na Argentina. Alguns professores também obtiveram titulação e qualificação em outros países. O PPGH abre edital para ingresso de alunos estrangeiros, e no momento tem uma estudantelatino-americana.

O perfil do ingressante é de graduados em História, em geral provenientes de Iniciação Científica (IC) e com experiência no ensino da disciplina. Grande parte dos discentes é da região dos Campos Gerais, centro-sul do Paraná, Santa Catarina e interior de São Paulo. Devido à abrangência regional do programa, muitos dos estudos nele desenvolvidos são voltados à história da região.

“Devido à abrangência regional do programa, muitos dos estudos nele desenvolvidos são voltados à história da região”

O egresso muitas vezes continua no mercado como professor, no ensino básico e no ensino superior, tendo em vista que a grande maioria já atuavano magistério antes da pós-graduação. Parte ingressa no doutorado em outras instituições, pois o curso não é ofertado pela UEPG.

Os professores do programa também lecionam na graduação, e a integração entre os dois níveis é feita através de pesquisas de IC vinculadas ao PPGH (tanto do curso de bacharelado quanto de licenciatura) e participação dos estudantes em grupos de pesquisa e discussão.

O corpo docente do PPGH é composto por 20 professores permanentes e três colaboradores. O corpo discente é composto por 39 alunos.O programa oferta semestralmente vagas para alunos especiais em disciplinas isoladas, muitas vezes procuradas por estudantes de outros PPG da área de Humanas. Segundo o atual coordenador, Erivan Cassiano Karvat,a discussão de temas relacionados à história cultural (em Tópicos Especiais) costuma atrair muito interesse. Outra disciplina ofertada é Teoria da História. Alunos do PPGH também complementam sua formação em atividades de outros programas.

A seleção para o programa ocorre no início de cada ano, e novas turmas começam em agosto. O processo seletivo é composto pelaanálise do projeto de pesquisa, prova de suficiência estrangeira (Inglês, Espanhol ou Francês) e prova teórica, e avaliação do projeto e do currículo Lattesem entrevista.A procura costuma ser grande, atingindo a média de 50 inscritos em cada seleção.

Em médio e longo prazo, os objetivos do programa são qualificar ainda mais o corpo docente e discente, com cursos e experiência internacional, bem como instituir o curso de Doutorado e aumentar o conceito na Capes.

Linhas de Pesquisa

Instituições e sujeitos: saberes e práticas

Trata-se aqui de investigar as articulações e/ou relações possíveis (posto que culturais e, portanto, históricas) entre indivíduos/sujeitos/atores sociais e instituições e que se constituem como produtoras de identidade, imposta ou resistente, manifesta em diferentes práticas sociais/culturais e cujos códigos e regras de compreensão, consumo e apropriação são apreensíveis pela pesquisa e reflexão historiográficas. Assim, órgãos oficiais, agregações da cultura tradicional, saberes médicos, práticas educacionais, festas religiosas, grupos étnicos, modelos de viver e/ou trabalhar na cidade e no campo, são, entre outras, algumas das possibilidades interpretativas que podem permitir empreender estudos sobre cultura e identidades no âmbito desta linha de pesquisa.

Discursos, representações: produção de sentidos

Esta linha de pesquisa agrega estudos sobre discursos e representações concebidos como práticas culturais indissociáveis dos modos de produção de sentidos. A partir de variadas concepções teórico-metodológicas, as pesquisas enfatizam os processos vivenciados por diferentes sujeitos em suas trajetórias singulares e experiências heterogêneas; processos esses em que operam as diversas mediações constitutivas do “real”, as formas de sua percepção, enunciação e semiotização, apreendidas na contingência das relações de saber-poder. Assim, a pesquisa das lógicas de produção, circulação e recepção de discursos e representações sobre a natureza, o sagrado, a cultura escrita – entre outros temas observados a partir de variadas escalas espaço-temporais – permite a problematização de objetos situados no cruzamento de diferentes campos da história, em torno de um eixo comum e central: o das relações entre culturas e processos identitários.

Visite a página do programa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.