Economia

O Programa de Pós-Graduação em Economia (PPGEco), com área de concentração em Economia, teve início em 2017, e recebe conceito 3 pela Capes.

A ideia de criação do programa surgiu há alguns anos. Após discutir os objetivos e o enfoque do mestrado, os professores do departamento de Economia enviaram a primeira proposta em 2014, que foi rejeitada pela Capes. Nos anos seguintes, os docentes buscaram fortalecer suas pesquisas e reformular o projeto, que foi aprovado para 2017.

O objetivo do PPGEco é proporcionar uma formação sólida, com ferramentas teóricas e técnicas atuais, que consiga discutir os temas de pesquisas das principais universidades do Brasil e do mundo, bem como desenvolver pesquisas de qualidade. O professor Karlo Marques Junior, coordenador do programa, acredita que a maioria dos PPG de Economia brasileiros não se preocupa em estudar cenários internacionais, sendo mais fechados em seus currículos.

A Economia tem grupos teóricos bastante amplos e distintos. Dessa forma, as linhas de pesquisa do programa foram pouco delimitadas, dividindo-se entre teoria econômica e economia aplicada. No PPGEco, são pesquisadas macro e microeconomia, como taxa de câmbio, taxa de juros e inflação, análise socieconômica e de mercados específicos, economia agrícola, bem como a relação entre política e economia, educação e economia, entre outros temas.

A internacionalização é um dos pontos que o programa pretende desenvolver nos próximos anos. Para 2018, está agendada a visita de um professor da Espanha, que deve ministrar um curso e orientar alguns estudantes. É possível também que alunos estrangeiros integrem o corpo discente, através do processo de seleção. O PPGEco recebeu professores de instituições renomadas do Brasil, como FGV, UFRGS e UFPR, para ministrar seminários previstos pela grade curricular obrigatória.

Os impactos do programa na graduação já podem ser vistos, como o aumento de alunos inscritos no exame de seleção nacional para o mestrado. Atividades do PPGEco, como os seminários, são abertas à participação dos graduandos, que podem aprofundar seus conhecimentos e entrar em contato com a pós-graduação. O conhecimento adquirido no mestrado pelos professores, através de novas pesquisas desenvolvidas, também pode chegar nas salas de aula dos estudantes de graduação. Outra forma de contato é o estágio obrigatório, no qual mestrandos fazem listas de exercícios, monitorias, revisões e orientam graduandos na pesquisa.

“Os impactos do programa na graduação já podem ser vistos, como o aumento de alunos inscritos no exame de seleção nacional para o mestrado”

O corpo docente do programa é composto por 9 professores permanentes, sendo um deles da UFPR, e um professor colaborador da UEPG. O corpo discente é de 11 estudantes, vindos em sua maioria do estado do PR, e tem um estudante do MS. A grande maioria é também de recém-formados. É bastante comum na área, aponta Karlo, que o aluno termine a graduação e curse o mestrado em seguida, quando há interesse.

O processo de seleção do PPGEco é feito nacionalmente, diferente de outros programas stricto sensu. A prova é aplicada em diversas cidades, e o candidato escolhe até seis instituições de interesse, enquanto elas podem selecionar qualquer candidato. As disciplinas exigidas pelo exame são macro e microeconomia, matemática, estatística e economia brasileira. O peso de cada uma varia conforme a escolha do programa. Após a avaliação, os programas entram em contato com os classificados para preencherem as vagas, ou se desejarem, fazem outra etapa de seleção. Segundo o coordenador, esse modelo minimiza os gastos dos estudantes, que com uma única inscrição podem participar de vários processos seletivos, bem como não precisam se deslocar para diversas localidades. Isso é positivo também para os próprios programas, que têm à disposição candidatos de todo o país, e alguns do exterior, que participaram da seleção.

O objetivo do PPGEco em médio prazo é alcançar conceito 4 na próxima avaliação. O professor ressalta que o Brasil em um momento de dificuldades, com diminuição de recursos, e que o programa ainda precisa se fortalecer, pois teve início neste ano. Existe a expectativa de nomeação de professores aprovados no último concurso, que vêm de grandes instituições do país e desenvolvem pesquisas de ponta, o que pode auxiliar neste fortalecimento. Em longo prazo, deseja-se abrir um doutorado. Outros objetivos são estabelecer-se como programa de referência no Paraná e no Brasil, fora dos grandes centros e capitais, que já são consolidados e tradicionais. Além disso, querem ser reconhecidos por ofertar uma formação de qualidade e realizar pesquisas atuais e de destaque na área de Economia. Na questão de infraestrutura, o programa deve melhorar aos poucos seu espaço físico.

Visite a página do programa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.